O que é a síndrome do ninho vazio?

No processo natural da vida, os filhos crescem, tornam-se mais independentes e, na maioria dos casos, deixa a sua família para construir sua própria vida, seja morando sozinho ou casando-se para constituir sua própria família.

Esses sintomas podem variar de pessoa para pessoa, pois dependerão de sua personalidade, do grau de relacionamento que se tinha e também de seu estado emocional.

O que devo fazer?

Por mais que nada substitua a saída dos filhos, é necessário compreender que a fase mudou e deve-se começar a buscar um novo conceito de vida com novas perspectivas individuais e matrimoniais, ou seja, deve ser encarada como um recomeço para ambos os lados.

Por mais que seja necessário passar por um lento processo de adaptação e mudança diante dessa nova realidade, respeite o seu tempo e procure enxergar o lado positivo dessas mudanças.

Permita-se aceitar a dor, aceitar a saída do filho e, o mais importante compreenda que sair de casa faz parte do processo de evolução e crescimento e que estar fisicamente distante, não significa que você o “perdeu”, o que mudará é a convivência entre vocês, ou seja, a relação continuará a ser cultivada. Neste momento a ajuda dos filhos é de extrema importância.

É necessário que os pais ou os tutores, se adaptem a esta mudança e busquem um novo sentido para suas vidas. Buscar outras fontes de prazer, além de auxiliar nesse processo de transição, também poderá ajudar na prevenção de doenças. Não ignore os sintomas, aceite ser ajudado e procure um profissional.

Lembrem-se que a prevenção é sempre a melhor forma de combater esta síndrome e de se evitar ter um controle excessivo sobre a vida deles. Dar mais autonomia para seus filhos, aos poucos, permitindo-os  tomarem suas próprias decisões, não te tornará menos presente e ainda lhe ajudará a não estruturar sua vida apenas em torno de seu filho, bem como lhe ajudará na prevenção de muitos sintomas negativos.

A psicoterapia ajuda muito nesse processo de compreensão, elaboração, desapego e evolução pessoal, atuando tanto na prevenção quanto no tratamento desta síndrome.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *